Russos terão que começar a canibalizar suas aeronaves em semanas

Afetada pelas sanções ocidentais, que impedem o fornecimento de peças de reposição e de serviços em aeronaves russas, o país de Vladimir Putin terá que tomar uma decisão que pode se transformar num círculo vicioso: canibalizar aeronaves ou, em outras palavras, retirar peças de uma para usar em outra.

Tal situação pode levar a uma parada em massa de aeronaves, levando quase dois terços da frota a ficar sem condições de voo até 2025, informou o jornal russo Kommersant citando um relatório do Ministério dos Transportes do país que projeta cenários para a aviação até 2030.

Em certo trecho, o relatório explicita que, na pior das hipóteses, o país poderá enfrentar sérios desabastecimentos a partir do segundo semestre deste ano, daqui a algumas semanas, quando as aeronaves fabricadas no exterior começarão a ser “intensamente reduzidas” e desmanteladas. O Kommersant disse que a autenticidade do relatório foi confirmada por fontes do ministério e de duas companhias aéreas.

Quais tipos de aeronaves permanecerão em operação não está especificado, mas uma fonte do ministério disse ao Kommersant que esse cenário vem da “ameaça de metade a dois terços das aeronaves comerciais na Rússia”. Mesmo no cenário mais otimista, o volume de passageiros não se recupera para o nível pré-crise, de 100 milhões de passageiros por ano, até 2030.

As necessidades particularmente urgentes são para o reparo de pneus e para remendar lonas de freio térmicas, mas outras peças devem começar a faltar muito em breve. Na aviação, existe uma prática de segurança que deve levar a agir proativamente e preventivamente, de modo que não se espera a máquina dar problema para levá-la ao conserto (como acontece num carro, por exemplo).

Um futuro difícil começa a se desenrolar para as empresas aéreas russas.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Fim da produção do Boeing 767F pode estar sacramentada pelas novas...

0
Com a adesão da Federal Aviation Administration (FAA) às regras de eficiência de combustível propostas para aeronaves a jato