Petrobrás já sabia de diferenças na gasolina de aviação antes da venda, diz BAND

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Conforme temos acompanhado nas últimas semanas, a aviação geral brasileira tem sofrido com o problema da gasolina aeronáutica degradando borrachas de vedação e prejudicando peças de motores, levando a corrosões e vazamentos. Análises de amostras mostraram contaminações com compostos que não deveriam existir nos níveis encontrados.

Agora, novas informações indicam que a Petrobrás já sabia de uma diferença na qualidade da gasolina de aviação importada, antes mesmo de comercializá-la e bem antes de dar problemas nos aviões. O fato foi revelado pelo Jornal da Band, que obteve acesso exclusivo a documentos de análise do lote importado do Golfo do México.

Segundo estes documentos, a gasolina foi testada nos primeiros dias de junho e a densidade medida foi de 692 kg/m3, sendo que o mínimo para a gasolina de aviação padrão, a AVGAS 100LL de 100 octanas e baixo chumbo, é de 700 kg/m3.

A densidade é umas das referências para analisar se houve adulteração ou mudança na composição do combustível, mas por si só não causaria problemas de vazamento e corrosão, como os que foram detectados em diversas aeronaves brasileiras.

Segundo a AOPA, Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves do Brasil, a Petrobrás informou que seus técnicos já conseguiram encontrar correlação direta entre a densidade da gasolina e o teor de componentes aromáticos. Ou seja, para efeito de testagem mais simples e inicial, mesmo não sendo um teste definitivo ou parâmetro normativo, pode-se dizer que a densidade do AVGAS varia, entre outros fatores, também de acordo com o percentual de presença de componentes aromáticos.

Todo o combustível do lote afetado e que não foi vendido já foi recolhido pelas distribuidoras, sendo devolvido para a Petrobrás em Cubatão – SP. Por sua vez, a venda dos lotes não afetados já foi liberada e será normalizada nos próximos dias.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Programa para impulsionar o setor aéreo do Brasil recebe 123 propostas...

0
Ao todo, as companhias aéreas enviaram 76 propostas, 64% do total, os aeroportos enviaram 41 e a Embratur recebeu outras 6 sem identificação